Gato sem metade das patas traseiras ganha próteses e consegue dar os primeiros passos

Por SÍLVIA HAIDAR

O gatinho Vincent tem uma deficiência: ele foi resgatado com apenas a metade dos ossos da tíbia nas patas traseiras.

 

Como não conseguia andar, o bichano foi abandonado no abrigo Story County Animal Shelter, no Estado de Iowa, nos EUA.

 

Lá o gatinho teve a sorte de encontrar a funcionária Cindy Jones, que ficou comovida com a situação e o levou para casa.

 

X

 

Já na nova casa, Emily Jones, a filha de Cindy Jones que estuda veterinária na Iowa State University, percebeu que poderia oferecer ajuda médica a Vincent.

 

O gato foi examinado pela veterinária Mary Sarah Bergh, especialista em ortopedia, que decidiu fazer uma cirurgia com endoimplantes (implantes internos) para que o gatinho pudesse andar.

 

Com ajuda da empresa de ortopedia veterinária BioMedtrix, que criou as próteses especialmente para o gatinho, Bergh fez a operação e implantou dois pinos de titânio nas patas traseiras de Vincent.

 

Esse método de implante de pinos de titânio, diretamente no osso, ainda é muito raro na área veterinária. Estima-se que menos de 25 animais no mundo tenham passado por esse tipo de cirurgia.

 

“Isso vai abrir portas para que sejamos capazes de ajudar outros animais com problemas semelhantes”, disse Bergh ao jornal da universidade. “O que aprendemos com o caso de Vincent refinou a técnica de implantes”, afirmou a veterinária.

 

Atualmente, aos 3 anos, Vincent já consegue andar, mas ainda não é capaz de dar os famosos pulos de gato por aí. No entanto, ele passará por novos procedimentos para alongar suas próteses e ganhar mais liberdade.

 

“Eu prevejo que logo ele estará pulando e fazendo as coisas que todo gato faz”, diz Bergh.

O gatinho Vincent dá os primeiros passos com suas novas próteses (Iowa State University/Divulgação)
O gatinho Vincent dá os primeiros passos com suas novas próteses (Iowa State University/Divulgação)

 

Assista abaixo ao vídeo de Vincent dando os primeiros passos.