Banho de gato: conheça alguns mitos sobre higiene dos felinos

Que os gatos são os animais mais limpinhos do mundo e não precisam tomar banho, nós já sabemos.

A água e os produtos de higiene tiram os feromônios que os bichanos têm na pele. Essas substâncias químicas são produzidas pelo próprio corpo e estão relacionadas à sensação de bem-estar e à  identidade do animal.

No entanto, os banhos podem ser indicados por veterinários quando há necessidade terapêutica, como tratar doenças de pele.

A raça sphynx, por exemplo, tem predisposição à seborreia, que é o excesso de oleosidade na pele, e pode precisar de um banhinho.

Os veterinários Rita Ericson e Ronaldo Lucas esclarecem abaixo alguns mitos sobre a higiene dos felinos.

Nenhum gato precisa tomar banho
É verdade que os gatos passam muitas horas se lambendo para se limpar, mas há casos em que o tutor deve estar atento com a necessidade de higienizar o seu pet, como em situações de obesidade, incapacidade física de se limpar sozinho, durante tratamentos dermatológicos ou quando se sujam com algum produto tóxico.

Nesses casos, Rita Ericson recomenda o uso de toalhas umedecidas sem fragrâncias, como as da linha Cafuné, da Unilever, que, além dos pelos, podem ser passadas na região dos olhos, no focinho, nas orelhas e nas patas.

Se for realmente necessário dar banho no gatinho, Rita indica um passo a passo para fazer a limpeza em casa, com o mínimo de estresse.

Primeiro, é preciso escolher produtos adequados sem fragrâncias, ou com cheirinhos bem suaves, para não remover nem mascarar o odor natural do bichano.

“Os gatos se reconhecem pelo cheiro e produzem substâncias químicas de comunicação, os feromônios. Eles depositam os feromônios nos móveis, nas pessoas e nos outros animais que convivem com eles com o objetivo de marcar o território e os indivíduos, tornando-os familiares e seguros. Por isso, para não interferir nos sentidos e na comunicação dos gatos, é importante a escolha de produtos adequados que não deixem resíduos e que não possuam perfumes, respeitando a sensibilidade deles”, afirma Rita.

Para evitar arranhões, uma dica importante é cortar as unhas do felino antes do banho.

O banho pode ser dividido em três etapas com o auxílio de três baldes bem cheios de água morna. No primeiro balde, o tutor mergulha o gatinho cuidadosamente até o pescoço, deixando a cabeça para fora. Nesse momento, é feita a limpeza com os produtos adequados para não causar nenhum desconforto.

Depois de espalhar bem os produtos, o tutor mergulha o gato no segundo e terceiro baldes para retirar todo produto.

Se o dia estiver quente, o felino pode se secar ao sol. Caso contrário, opte por uma toalha ou até mesmo um secador, se gatinho tolerar o barulho. Finalize com uma boa escovação para fazer um agrado ao bichano.

Gatos podem usar produtos de humanos
Assim como nós, os gatos precisam de cuidados e produtos específicos para higiene. A pele e os sentidos dos animais são diferentes e precisam de shampoos especiais.

“A pele dos humanos, por exemplo, possui mais camadas que a pele dos gatos. Além disso, o olfato dos felinos é muito mais desenvolvido que o nosso”, explica o veterinário Ronaldo Lucas.

“ Os cuidados com a higiene e a limpeza, tanto do pet quanto do ambiente, são fundamentais para que a convivência entre nós e eles ocorra plenamente. Escolher produtos que não agridam ou ressequem a pele, que não interfiram no superolfato deles ou que não causem doenças alérgicas, tanto dermatológicas quanto respiratórias, são exemplos do que é cuidar com carinho, dedicação e atenção do nosso animal de estimação”, diz Ronaldo.

Gatos não gostam que limpem a caixa de areia 
Na verdade, é exatamente o oposto: os gatos adoram caixas muito limpas. A higienização correta do banheirinho deles é indispensável para a qualidade dos bichanos, sendo importante retirar as fezes e os torrões de urina –de preferência, sempre que o felino usar a caixa.

Além disso, aproximadamente uma vez por semana deve-se ser fazer a limpeza completa, trocando toda areia e lavando o recipiente com produtos que não deixem cheiros fortes que incomodem seu bichano.

As patas devem ser higienizadas com álcool para evitar Covid-19 
Com a pandemia da Covid-19, o álcool em gel tornou-se um importante aliado dos humanos na prevenção contra vírus. No entanto, não devemos o produto nos animais.

O álcool é uma substância química que pode causar reações na pele e mucosas dos animais. No caso dos gatos, o risco é ainda pior, pois eles têm o hábito de se lamber e, consequentemente, podem ingerir o produto.

Gatos não desenvolvem Covid-19, mas podem carregar o vírus, assim como uma maçaneta ou uma sacola de supermercado. Se for preciso limpar o bichinho, a veterinária Rita recomenda usar água e produtos adequados, como itens sem fragrâncias e específicos para animais.