Fototerapia é opção de tratamento não invasivo para gatos

Doenças dermatológicas, otites, lesões bucais e até mesmo doenças degenerativas que afetam os gatos podem ser tratadas com fototerapia.

O tratamento é feito com laser e luz de Led (sigla do inglês light emitting diode; diodo emissor de luz, em português) e funciona com a ação de luzes terapêuticas que são capazes de curar diversas patologias.

Um dos grandes usos do Led e do laser no tratamento de felinos é a laser acupuntura. “Os gatos tendem a ser menos receptivos que os cães em relação ao uso de agulhas na acupuntura. Com a laser acupuntura é possível exercer a medicina tradicional chinesa sem a necessidade de um estímulo invasivo, que causa incômodo ao animal”, diz Lucas Sousa, gerente de pesquisa, desenvolvimento e inovação da Ecco Vet, empresa especializada na produção de equipamentos de fototerapia para animais.

“Os maiores benefícios desse tratamento são a rapidez com que ele mostra resultados, além de ser indolor e eficiente para aplicações em diversas patologias”, revela o gerente.

Sousa explica que a terapia funciona por meio dos estímulos das luzes com cores e doses específicas, o que é chamado de fotobiomodulação, e promove o equilíbrio e recuperação do organismo do animal.

“A fototerapia, de maneira geral, trabalha com luzes terapêuticas que não possuem malefícios. É uma terapia com baixíssima taxa de contraindicações, porém, em filhotes e neonatos devemos evitar aplicações sobre a epífises proximal e distal [linhas de crescimento], afirma Sousa.

O tratamento também não é indicado para patologias oculares, se a luz for emitida sobre o globo ocular, e para pacientes oncológicos sobre a região tumoral.

Um dos pacientes felinos que teve benefícios com a laser acupuntura foi o gatinho Nino, que sofreu uma lesão na coluna.

“O gato tinha uma lesão na coluna que já estava sendo tratada, mas não se resolvia. Conseguimos resultados somente após o uso da laser acupuntura e o uso da laserterapia”, conta Rafael Franchi Traldi, veterinário e mestre em biotecnologia animal.

“Esse tratamento foi a melhor opção para o problema do Nino. Ele auxilia nos processos inflamatórios, na regeneração dos tecidos, melhora a circulação, a angiogênese [formação de novos vasos sanguíneos] e torna a acupuntura veterinária não invasiva”, revela Traldi.

Para os tratamentos realizados em felinos são utilizadas três luzes, que podem atuar de maneira isolada ou combinada, de acordo com a necessidade do paciente e da patologia a ser tratada.

Led azul: Possui ação bactericida e fungicida, promove hidratação, limpeza dos tecidos, previne e trata infecções.

“Essa luz tem a capacidade de potencializar a ação de produtos e fármacos tópicos e trazer mais brilho e sedosidade para os pelos dos animais”, diz Sousa.

Laser vermelho: Controla processos inflamatórios, atua na regeneração de tecidos, melhora da vascularização e angiogênese, estimula síntese de colágeno e elastina e a produção de ATP [molécula de adenosina trifosfato]. É utilizado na acupuntura veterinária não invasiva.

Laser infravermelho: Tem a função analgésica para o tratamento da dor, atua na drenagem linfática e de edemas, tem efeito anti-inflamatório profundo e aumenta em 40% a absorção de produtos e fármacos.

“O laser infravermelho promove também a bioestimulação profunda, regenerando ossos, nervos e cartilagens. É aplicado na acupuntura veterinária não invasiva”, aponta Sousa.

Com o laser vermelho é possível ainda fazer a terapia ILIB, que age diretamente na melhora da imunidade e qualidade de vida do animal.

“Essa vertente da terapia é a irradiação do laser vermelho na circulação sanguínea do animal, tudo de maneira não invasiva, por meio da aplicação do laser sobre artérias específicas do animal, como a artéria femoral, localizada na pata traseira. O tempo de aplicação é de, em média, 5 minutos para agir sobre o corpo todo do paciente”, afirma Sousa.

O estímulo com o laser vermelho trabalha com o objetivo de manter o equilíbrio do organismo, garantindo mais energia para todas as células do paciente e aumenta a eficácia do sistema imunológico dos felinos.