No Dia Mundial do Gato, conheça dez felinos maravilhosos para seguir no Instagram

Nesta quarta (17) é o Dia Mundial do Gato. Para celebrar a data e exaltar o ser vivo mais lindo do mundo, o blog Gatices selecionou dez bichanos para seguir no Instagram.

Quase todos eles não têm raça definida, foram adotados em abrigos e alguns têm até deficiências físicas, mas nem por isso deixam de ser animais cheios de amor e capazes de mudar a vida de seus tutores.

Esses felinos já tiveram suas história contadas nesta página. Então, se você quiser saber mais sobre eles, clique nos links em seus nomes ou nas galerias de fotos.

O Dia Mundial do Gato é comemorado em 17 de fevereiro principalmente em países europeus. Outras datas também celebram a existência desse bicho incrível ao longo do ano: o Dia de Abraçar Seu Gato, em 4 de junho; o Dia Internacional do Gato, em 8 de agosto; o Dia Nacional do Gato (nos EUA), em 29 de outubro; o Dia Nacional do Gato Preto (nos EUA), em 17 de novembro.

Apesar de o Brasil não ter um dia do gato oficial, o brasileiro também é um amante de gatos. De acordo com uma pesquisa divulgada em 2015 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a população de gatos em domicílios brasileiros foi estimada em 22,1 milhões, o que representa o equivalente a quase 1,9 gato por residência no país. Os bichanos ainda perdem para os cães –são 52 milhões deles no Brasil, segundo o IBGE–, mas ninguém duvida que os gatos chegarão lá.

Nala 
Nala é a celebridade felina suprema na internet. Com 4,3 milhões de seguidores no Instagram (nala_cat), ela é detentora do título de gata com mais fãs na rede social no Guinness World Records, o livro dos recordes, desde 2017.

Todavia, longe do glamour atual, a vida dessa felina, que completou dez anos em julho de 2020, começou como a de muitos gatinhos abandonados mundo agora. Nala é uma vira-lata que foi resgatada quando ainda era filhote de uma casa de acumuladores e levada para o abrigo Castaic Animal Shelter, em Los Angeles, na Califórnia.

Foi lá que Varisiri “Pookie” Methachittiphan, sua tutora, caiu de amores pela gatinha assim que ela deu uma lambidinha no seu rosto e decidiu adotá-la. Na época, a bichana tinha cerca de cinco meses.

Francisquinha 
Uma gatinha pretinha, com cara de brava, está cada dia mais famosa nas redes sociais e atualmente tem 67, 5 mil seguidores no Instagram (francisquinha_mal_humorada).

Francisquinha tem quatro anos, mora em Perdizes, na zona oeste de São Paulo, e sempre é comparada à Grumpy Cat, felina que ficou mundialmente conhecida como “gata rabugenta” e morreu em 2019.

Natália Salles, a tutora de Francisquinha, conta que o veterinário da bichana acha que ela tem nanismo, assim como Grumpy Cat.

“Nós nunca fizemos um teste genético para ter certeza, mas todas as características dela indicam que sim”, diz Natália.

Francisquinha é menor do que a maioria dos gatos, tem malformação no crânio e braquidactilia (dedos mais curtinhos).

Atchoum 
À primeira vista, ele pode ser confundido com um cão da raça shih tzu. Mas é só vê-lo ronronar e brincar em um dos vídeos publicados em seu perfil no Instagram (atchoumthecat), que tem mais de 459 mil seguidores, para perceber que Atchoum é, na verdade, um gato.

Esse persa que vive em Quebec, no Canadá, sofre de hipertricose, uma doença conhecida como síndrome do lobisomen, que faz crescer pelos em excesso e também acomete humanos.

Atchoum, em francês, é “atchim”, a onomatopeia usada para o som do espirro. “Ele tem esse nome porque se parece comigo quando espirro”, diz sua dona, Nathalie Côté. Para quem tem os cabelos compridos, é fácil imaginar os fios voando no rosto.

Para a sorte de Atchoum, Côté é tosadora de animais em uma clínica veterinária. Ela conta que o gatinho, ainda filhote, foi doado à clínica. Em um fim de semana, para não deixá-lo sozinho, ela o levou para casa. Foi o suficiente para se apaixonar por ele. Côté pediu para adotá-lo e o veterinário deixou.

A história de Atchoum inaugurou este blog, com texto publicado em julho de 2015.

Pinocchio 
Nascido com uma má-formação craniana, que deixa seu focinho mais proeminente, não é difícil imaginar por que esse gatinho ganhou o nome de Pinocchio.

O felino foi resgatado aos quatro meses de idade no início deste ano em Los Angeles, na Califórnia, pelo grupo de protetores independentes Friends for Life Rescue Network.

Com grandes olhos verdes e o maxilar torto, que deixava alguns dentinhos sempre aparentes, o bichano logo chamou a atenção dos seguidores das redes sociais da associação.

Para manter os fãs de Pinocchio informados sobre seu estado de saúde, os voluntários criaram um perfil só para o gatinho no Instagram (pinocchioswish), que já tem 48,4 mil seguidores.

Smudge 
Uma mulher gritando e um gato fazendo careta para um prato de salada. A montagem com as duas imagens gerou o meme mais popular de 2019.

O gato é Smudge, um vira-lata com cerca de sete anos que vive no Canadá. A escultora Miranda Stillabower, tutora do bichano, diz que o adotou quando ele já era adulto, por isso não sabe exatamente sua idade.

Smudge costuma sentar nas cadeiras enquanto Miranda janta para dar uma espiadinha na comida. Mas como mostra a foto que ficou famosa, ele não gosta muito de vegetais.

A escultora postou a foto na rede social tumblr, e, em maio de 2019, o perfil do Twitter Missingegirl fez a montagem que acabou viralizando. No Instagram (smudge_lord), o felino tem 1,4 milhões de seguidores.

Zarathustra
Com nome de profeta persa, o gato Zarathustra aparece em algumas das obras mais famosas da história da arte, como “Mona Lisa”, de Leonardo da Vinci (1452-1519), e “A Criação de Adão”, de Michelangelo (1475-1564).

O bichano laranja, gordo e bochechudo é fonte de inspiração para a sua tutora, a artista russa Svetlana Petrova. Com técnicas de pintura, fotografia e Photoshop, ela insere imagens do gatinho em quadros icônicos.

Svetlana herdou Zarathustra quando a mãe dela morreu. Fascinada com a beleza e a corpulência do felino, ela criou o projeto Fat Cat Art. No Instagram, tem 223 mil seguidores (fatcatart)

Em seu site, Svetlana disponibiliza as imagens separadas por períodos que vão da Antiguidade à arte contemporânea.

Frankenkitten
O nome dele é Frankenkitten, mistura de Frankenstein com kitten (gatinho, em inglês). Mas, apesar de ter sido batizado em referência ao monstro do famoso livro da escritora britânica Mary Shelley (1797-1851), ele é um bichano carismático e nada assustador.

Frankie, como é chamado, foi encontrado por uma família nos fundos de uma casa em Melbourne, na Austrália, com mais um filhote. Os gatinhos foram encaminhados ao abrigo Geelong Animal Welfare Society.

Lá, os veterinários perceberam que um deles tinha quatro orelhas e estava com um dos olhinhos infeccionado.

Enquanto seu irmão (que tinha só duas orelhas) estava bem e foi encaminhado para adoção, Frankie exigia cuidados especiais.

O olho machucado precisou ser removido com cirurgia. Mas as orelhas a mais não fazem mal nenhum ao bichano e são resultado de uma alteração genética.

Na verdade, ele tem duas orelhas normais e outras duas menores, que não foram desenvolvidas completamente. Além disso, Frankie também tem dentes a mais, que são removidos conforme a necessidade.

Logo depois da operação, Georgia Anderson, voluntária do abrigo, levou Frankie para sua casa para trocar o curativo e dar os remédios na hora certa.

Georgia já estava acostumada a dar lar temporário para animais resgatados, mas com Frankie foi diferente. Ela não conseguiu encaminhar o gatinho para uma nova família e decidiu adotá-lo. Atualmente, esse bebezinho tem 47, 2 mil seguidores no Instagram (frank_n_kitten).

Toby
Toby é um gatinho de sete anos que vive em Stroud, na Inglaterra, e sofre de uma síndrome rara chamada Ehlers-Danlos.

Também conhecida como cútis elástica, é uma doença hereditária caracterizada por um defeito na síntese de colágeno.

Por causa dessa deficiência, a pele de Toby é flácida e caída. Esse excesso faz com que ele tenha uma aparência tristonha.

Toby foi adotado pelo casal Georgina Price e Christopher Lardner na RSPCA (Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals), instituição britânica que cuida de animais abandonados. O bichano tem 175 mil seguidores no Instagram (tummyandgummy).

Bone
O leitor já deve ter visto uma foto dele circulando pelas redes sociais: um gatinho muito fofo, com uma mochilinha nas costas, agarrado ao colo de sua tutora.

Esse bichano que parece um bebê se chama Bone e vive na Tailândia, na Ásia. Lá ele é uma celebridade felina, participa de eventos, de programas de TV e é fotografado por onde passa.

Em seu perfil no Instagram (bonebone29), em que tem 522 mil seguidores, é possível acompanhar a vida de Bone. Há fotos e vídeos do bichano andando na praia, na grama e fazendo pose dentro de casa.

Félix
Ele é um persa vesguinho, rabugento e gordinho. É assim que Érika Aguiar, a “mamãe humana” de Félix, define o bichano nas redes sociais.

O gatinho é muito expressivo e quase sempre aparece nas fotos com um semblante mal-humorado, que lembra a Grumpy Cat, a famosa gata rabugenta.

Apesar da carinha ranzinza, Érika conta que o felino é muito alegre e adora brincar com tudo. “Ele é danadinho. Adora correr pela casa e derrubar tudo o que vê em cima dos móveis”, diz ao blog Gatices.

Félix também é muito mimado e adora fazer pose. “É engraçado, parece que ele sabe quando vou tirar uma foto. Eu chego perto com o celular, ele olha para mim e faz o movimento mais devagar”, afirma. O felino tem 51,9 mil seguidores no Instagram (felix_ogato).